Semana de Oração pela Unidade Cristã será realizada no Convento da Penha

A Semana de Oração pela Unidade Cristã (SOUC) deste ano será celebrada de 24 a 31 de maio, e por conta da  pandemia do coronavírus, foram necessárias algumas mudanças para que todos e todas celebrem a unidade com segurança. O CONIC-ES preparou uma programação online que será transmitida em todas as redes sociais do Convento da Penha. Baseado na passagem de At 28:2, o tema deste ano é  “Gentileza gera Gentileza”.

Promovida mundialmente pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos e pelo Conselho Mundial de Igrejas, a Semana de Oração pela Unidade Cristã acontece em períodos diferentes nos dois hemisférios. A Semana de Oração foi preparada pelas Igrejas cristãs em Malta. Todos os anos, em 10 de fevereiro, muitos cristãos da ilha celebram a festa do naufrágio do apóstolo Paulo, destacando e agradecendo a chegada da fé cristã nesse território. A leitura de Atos usada na festa este ano foi o texto escolhido para a SOUC 2020.

Ao longo da Semana, vamos publicar materiais que irão servir de inspiração e incentivo à unidade. Neste domingo, Frei Pedro de Oliveira abre o evento com a Missa das 9h. Ao longo da semana, de segunda até a próxima sexta, representantes das Igrejas irmãs participarão das Celebrações das 15h na Capela do Convento. Além de exortarem, os líderes religiosos vão refletir os textos bíblicos sugeridos pelo CONIC, rezando pelo fim da pandemia. Já no dia 31 de maio, a motivação é que todas as comunidades, independentemente de sua tradição confessional, celebrem a Festa de Pentecostes de forma virtual, compartilhando nas redes sociais o testemunho público de amor e solidariedade das igrejas em tempos de pandemia. A unidade na diversidade fortalece-nos para ações de gentileza e amor à pessoa próxima.


“Gentileza gera Gentileza” (Cf.: Atos 28:2)

A história começa com Paulo sendo levado a Roma como prisioneiro (At 27:1). Paulo está preso, mas mesmo numa viagem que se torna perigosa, a missão de Deus continua através dele.

A narrativa é um clássico drama da humanidade. O relato informa que os passageiros do navio estão expostos às forças dos mares e das poderosas tempestades que se erguem ao seu redor. Essas forças os levam a um território desconhecido, onde estão perdidos e sem esperança.

As 276 pessoas a bordo são divididas em grupos distintos.

O centurião e seus soldados têm poder e autoridade, mas dependem da perícia e da experiência dos marinheiros. Embora todos estejam assustados e vulneráveis, os prisioneiros são os mais vulneráveis de todos. Suas vidas são consideradas dispensáveis, eles estão em risco de uma execução sumária (At 27:42). À medida em que a história se desenvolve, sob pressão e temendo por suas vidas, vemos desconfiança e suspeita ampliando as divisões entre os diferentes grupos.

Notavelmente, porém, Paulo se ergue como um centro de paz no tumulto. Ele sabe que sua vida não é governada por forças indiferentes ao seu destino, mas está segura nas mãos do Deus a quem ele pertence e serve (At 27,23). Por causa de sua fé, ele está confiante de que se erguerá diante do imperador em Roma. É a força da fé que encoraja Paulo a se erguer diante de seus companheiros de viagem e dar graças a Deus. Todos passam a ficar encorajados. Seguindo o exemplo de Paulo, eles partilham pão, unidos numa nova esperança e confiando em suas palavras.

Esta experiência de confiança aponta para o tema principal dessa passagem: a providência divina. Foi decisão do centurião navegar em tempo ruim. Entretanto, durante a tempestade, os marinheiros é que devderiam decidir como conduzir o navio para garantir segurança à tripulação. Com o agravamento da situação, os planos dos marinheiros precisaram ser alterados. A única alternativa possível seria permanecer juntos e permitir que o navio naufragasse. Estão à deriva, nas mãos de Deus. Foram salvos pela divina providência. O navio e toda a sua valiosa carga se perderam, mas todas as vidas foram salvas.

Esse grupo de pessoas diversas, e em conflito, desembarca em uma ilha (At 27:26). Tendo sido jogados juntos pelo mesmo navio, chegam ao mesmo destino. Lá, são recebidos com muita hospitalidade e amorosidade pelos nativos da ilha, que desconheciam os conflitos internos do grupo náufrago. Ao se unirem ao redor do fogo, cercados por um povo que nem os conhece nem os compreende, diferenças de poder e posição social se esvaem. Os 276 náufragos não estão mais na dependência de forças indiferentes, mas envolvidos pela amorosa previdência de Deus, que se revela através de um povo que os acolheu com uma “Gentileza fora do comum” (At 28:2). Com frio e molhados, eles podem se aquecer e secar perto do fogo. Com fome, recebem comida. São abrigados até que seja seguro para eles continuar a viagem. É uma Gentileza capaz de transformar qualquer conflito e animosidade.

CARTAZ – O cartaz de 2020 foi enviado pela Lílian Santos Gomes, 35 anos, moradora de Porto Alegre-RS. Na arte, vemos mãos de acolhida – representando todos os povos – circundando a peça. Ao centro, temos um bote com migrantes e um barco a acolhê-los, numa alusão às muitas ONGs que, hoje, fazem esse trabalho de resgate no Mar Mediterrâneo e em outras localidades. Corações aquecidos e pombas brancas da paz, que também representam o Espírito Santo, são os outros componentes do desenho… que traz em si o tema da SOUC 2020: Gentileza gera Gentileza.

Verifique também

Trezena e Festa de Sto. Antônio adiadas para agosto

O Santuário-Basílica de Santo Antônio em Vitória, devido à pandemia (Covid-19) e obedecendo às orientações …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *