Bispos eméritos são recordados na 57ª Assembleia da CNBB

 

A importância dos bispos eméritos para a Igreja foi destacada na Celebração Eucarística desta sexta-feira (3 de maio), no altar central do Santuário Nacional de Aparecida (SP). O destaque foi dado pelo bispo emérito de Mogi das Cruzes (SP), Dom Paulo Antonino Mascarenhas Roxo, que presidiu a Celebração.

Dom Paulo lembrou que muitos eméritos ainda desenvolvem trabalhos nas suas dioceses e ressaltou também o tempo que os prelados, já aposentados, têm para se dedicar à oração pessoal e a possibilidade e oportunidade de dinamizar a dimensão mística e contemplativa da vocação episcopal, ficar com o Cristo, “estreitando ainda mais os laços da comunhão com o Senhor, encontrando-nos com Ele de maneira mais explícita, com mais tempo, maior frequência e profundidade. Aceitando sempre convite aberto e forte para uma verdadeira experiência do Senhor ressuscitado”, refletiu.

Dom Paulo destacou ainda os encontros silenciosos e confidenciais dos eméritos com o Senhor na Eucaristia. “No segredo de nossa capela partilhamos com o Senhor nossas coisas de idosos: incômodos, doenças, limitações, dependência, um pouco de solidão, dor de se sentir esquecido e tantas outras situações da idade avançada”.

Ao finalizar sua reflexão, o bispo apontou que: “ficando com o Senhor em grande intimidade, o bispo emérito longe de se desanimar, sentir-se velho, bebe na fonte da paz, esperança da alegria e da juventude do Senhor. Christus vivit!”, citando ainda a Exortação Apostólica pós-sinodal aos Jovens e a todo o Povo de Deus, publicada em abril deste ano.

Atualmente, fazem parte do episcopado brasileiro 171 bispos eméritos e 87 deles participam da 57ª. Do Espírito Santo, participam da Assembleia o Arcebispo Emérito da Arquidiocese de Vitória, Dom Luiz Mancilha Vilela, o bispo emérito de Colatina Dom Décio Sossai Andonade e o Arcebispo Emérito de Mariana, Dom Geraldo Lyrio Rocha (que mora em Vitória).

Uma das tarefas centrais do terceiro dia é refletir sobre como a Igreja no Brasil vai recepcionar o Sínodo dos Bispos sobre a Juventude, realizado no Vaticano em outubro de 2018.

O terceiro dia também vai se dedicar, no período da tarde, especialmente à aprovação das redação final das Diretrizes da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil para o quadriênio 2019-2023 após os debates e acréscimos nos grupos de trabalho.

 

Fonte: aves.org.br

Verifique também

Papa decide vetar políticos entre convidados do Sínodo da Amazônia

A menos de um mês da realização do Sínodo da Amazônia, marcado para outubro em …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *